Propheta

José Horta Manzano

É muito triste ficar sabendo que boa quantidade de jovens brasileiros abandonam o país por falta de oportunidades. É uma verdadeira ‘aspiração de cérebros’. Os que vão embora são justamente os mais bem formados, aqueles que poderiam contribuir para alavancar a entrada tão esperada do Brasil na modernidade e no bom caminho.

A tendência já vem de algumas décadas para cá. Com a subida de doutor Bolsonaro ao Planalto e a nomeação de um ministro da Educação que odeia o saber, as perspectivas são sombrias. O êxodo de cérebros deve aumentar. Não adianta só formar o universitário. É preciso dar-lhe condições de pôr em prática o que aprendeu. Enquanto a ciência continuar sendo desdenhada pelo poder central, a revoada tende a se reforçar.

Esse fenômeno é a triste confirmação da máxima bíblica Nemo propheta in patria – ninguém é profeta na própria pátria. De fato, todos os quatro autores do Novo Testamento (Mateus, Marcos, Lucas e João) põem essa frase, direta ou indiretamente, na boca do Mestre.

Outra locução latina, encontrada em Tácito, vem completar a máxima: Maior e longinquo reverentia – a ausência aumenta o prestígio.

Com tanta máxima por aí, tínhamos de escolher justo essas, tão amargas! Falta de sorte.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s