Os hermanos

José Horta Manzano

Você sabia?

A América do Sul é composta por 12 países independentes e uma colônia – a Guiana Francesa, relíquia de um tempo que passou.

A origem do nome de cada país é pitoresca. A Bolívia reverencia Simón Bolívar, figura heroica da época em que as colônias ibéricas se tornaram independentes. Já a Colômbia presta homenagem a Cristóvão Colombo, o descobridor oficial das Américas.

Paraguai, Uruguai e Chile guardam lembrança da toponimia indígena. A Venezuela leva esse nome porque, aos europeus que lá chegaram primeiro, casas construídas sobre palafitas lembraram Veneza.  Em espanhol, Venezuela corresponde a um hipotético «Venezinha» em nossa língua.

O Equador leva nome simbólico e sem imaginação; simbólico porque confirma que o país está situado sobre a linha do Equador; sem imaginação porque, francamente, podiam ter bolado nome mais personalizado. Há tantos outros países situados na linha do Equador…

Dos países que sucederam a antigas colônias ibéricas, falta mencionar dois. São bons vizinhos, sócios no Mercosul e grandes parceiros comerciais. Estou falando do Brasil e da Argentina naturalmente. Em questão de toponimia, têm em comum uma (rara) particularidade: ambos os nomes, na origem, são adjetivos. Só se tornaram substantivos quando passaram a dar nome a países. Assim mesmo, não deixaram de ser adjetivos.

A Argentina se chama, de fato, República Argentina – expressão em que a palavra argentina é adjetivo. Os primeiros exploradores encontraram prata por aquelas paragens. Mais do que imaginavam e menos do que gostariam. Deslumbrados, deram ao largo estuário onde desembocam os rios Paraná e Uruguai o nome de Río de la Plata (Rio da Prata). Quando se tornou independente, nosso vizinho conservou a prata no bolso. O adjetivo ‘argentino’ descende da forma latina para a prata: argentum.

E nosso Brasil, nos tempos em que o nome foi dado à colônia, também era adjetivo. Hoje em desuso, o adjetivo brasil se refere à brasa, especialmente à cor vermelha de um braseiro. O pau-brasil, abundante na nova terra e usado então em tinturaria, tem no nome o adjetivo brasil porque dá um caldo vermelho.

Somos mais hermanos do que imaginamos.


Observação
O espanhol platino conserva resquícios do caráter adjetival do nome dos dois países. Para referir-se às demais nações sul-americanas, omitem o artigo.

Estoy en Uruguay, en Chile, en Ecuador, en Colombia, en Venezuela, en Perú.

Porém

Estoy en el Brasil
Estoy en la Argentina.

Interessante, não?

Um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s