Passar a mão na cabeça

José Horta Manzano

«Não dá mais para o Congresso passar a mão na cabeça de Bolsonaro» – declarou o deputado Molon.

«Você parece estar passando a mão na cabeça de sua ex-auxiliar» – lançou Lula a uma Dilma enfezada.

«Moro periga passar a mão na cabeça de corruptos no governo Bolsonaro» – preveniu o New York Times.

 

Alguém precisa avisar a esse pessoal que estão desperdiçando saliva, tinta e papel. Nossa língua conta com um verbo – simples, regular, fácil de conjugar, simpático – que exprime perfeitamente a ideia de «passar a mão na cabeça de». Em vez de nove sílabas, três bastam: afagar.

Filhote da raiz árabe halaqa, o verbo afagar está aclimatado em nossa língua há um milênio, desde que os árabes, instalados na Península Ibérica, deixaram marcas indeléveis em nosso vocabulário. A existência desse verbo é oficialmente atestada desde os anos 1200. Aqui vão as frases depois da substituição da perífrase pelo verbo adequado.

«Não dá mais para o Congresso afagar Bolsonaro» – declarou o deputado Molon.

«Você parece estar afagando sua ex-auxiliar» – lançou Lula a uma Dilma enfezada.

«Moro periga afagar corruptos no governo Bolsonaro» – preveniu o New York Times.

 

3 comentários

  1. Ainda está faltando você explicar o que havia de absconso no título da matéria do Estadão. Tentei encontrar o que estava escondido, mas não descobri nada. Ilumine-me, ó mestre!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s